Sabe qual é o segredo das empresas líderes de segmento, com os melhores resultados e constantes inovações? Sua equipe. Para contribuir com o crescimento da organização, o setor de RH deve sempre se atualizar quanto às técnicas de recrutamento e seleção.

A contratação de colaboradores não deve ser algo intuitivo. É necessário que todo o processo seja planejado e executado estrategicamente para não prejudicar a organização. Também não se pode abrir mão das ferramentas auxiliares de tomada de decisão.

Antes de escolher quais técnicas de recrutamento e seleção adotar, é importante conhecê-las, não é mesmo? Por isso, listamos as principais para você e explicamos a importância delas. Vamos começar?

Qual a importância do recrutamento e da seleção?

Saber montar uma equipe de alto desempenho é o primeiro passo para o sucesso de uma organização. Entretanto, para que isso aconteça, é necessário criar uma boa descrição de cargos, atrair talentos e integrar o profissional mais adequado para fortalecer e motivar o grupo.

Quando isso não acontece, a empresa sofre com o alto turnover. Essa rotatividade de funcionários impede o bom clima organizacional, aumenta os custos de treinamento, admissão e demissão e prejudica a imagem da marca no mercado.

Lembra que lá no início falamos da relação entre equipe eficiente e inovação? Ela também se faz presente nos índices de satisfação do consumidor, produtividade e demais atividades. Com isso, todo o processo de contratação se torna ainda mais complexo.

Sendo assim, conseguir identificar as competências técnicas e comportamentais desejáveis e integrar ao grupo apenas os profissionais com valores compatíveis com o do negócio é um grande diferencial.

Quais técnicas de recrutamento e seleção utilizar?

Antes de apresentar as técnicas, temos uma pergunta para você: já sabe como escolher as melhores para sua empresa? A decisão correta vai depende das necessidades e características de cada organização. Porém, existem aquelas que são mais conhecidas e mais eficazes. Listamos abaixo as principais para você.

1. Seleção interna

Você já parou para pensar que o talento pode já estar na sua empresa? Nem sempre é necessário ir ao mercado de trabalho para preencher determinada vaga. Essa técnica apresenta uma série de vantagens e tem sido cada vez mais utilizada.

O principal diferencial da seleção interna é o baixo custo. Nela, são eliminados os gastos de admissão e de integração. Além disso, a despesa com treinamento também é menor, pois o colaborador já está alinhado com a cultura da organização e já conhece as normas.

Entretanto, cabe uma ressalva: um profissional de fora sempre agrega com novas ideias e percepções. Sendo assim, a viabilidade dessa técnica vai depender da vaga em aberto, do perfil desejado e dos recursos disponíveis.

2. Banco de currículos

O banco de currículos é um arquivo com os dados de profissionais de diferentes posições. Nele estão incluídos candidatos que se apresentaram em seleções anteriores, os que enviaram de forma espontânea e aqueles que submeteram suas informações por meio de plataformas online, como é o caso do BURH.

É uma forma rápida e econômica de encontrar pessoas com o perfil desejado.  Como os bancos não representam gastos para os candidatos e para empresas, a aderência é muito grande. Vale a pena investir em uma plataforma de qualidade.

Para que essa técnica possa ser eficiente, contudo, é necessário ficar atento à atualização das informações, já que alguns currículos podem estar armazenados há mais tempo.

3. Contatos com universidades e escolas técnicas

Embora esse método não dispense as etapas do processo de seleção, é uma opção relativamente barata e rápida. Existem muitos talentos dentro das universidades dispostos a dar um novo ânimo para as empresas. Quem já foi estudante, sabe que ficamos esperando aquela oportunidade de ouro para mostrar nossas qualidades, não é mesmo?

Essa dica vale principalmente para as vagas de estagiários, jovens aprendizes, trainees e profissionais de nível júnior. Porém, para empresas menores, pode ser uma alternativa para contratar mão de obra mais barata.

Pensando na dica anterior, a parceria com as instituições de ensino se mostra ainda mais válida. Você poderá mapear os jovens profissionais visando o preenchimento de vagas futuras.

4. Redes sociais

Não fuja das redes sociais! Elas podem ser usadas nas ações de marketing, no relacionamento com o consumidor e até nos processos de recrutamento e seleção. Na internet, o gestor consegue encontrar currículos de profissionais com as mais variadas competências e níveis de conhecimento.

Quando um anúncio é colocado no Facebook ou no LinkedIn, por exemplo, a organização garante que atingirá quem segue o negócio. É também uma ótima opção para mapear o comportamento do candidato e analisar se seus valores condizem com a cultura da empresa.

Só não vá cair na tentação de padronizar todos os textos, ok? Será necessário adaptar a linguagem ao dialogar com o público nas redes sociais, então esse pode ser seu diferencial na hora de despertar o desejo dos talentos.

5. Testes virtuais e presenciais

Os principais testes dentro de um processo seletivo são o psicológico e o de conhecimentos. São indispensáveis nas maiores empresas e em recrutamentos mais disputados, oferecendo embasamento científico para a tomada de decisão e ajudando no nivelamento dos profissionais.

No primeiro caso, são aplicados por psicólogos ou clínicas especializadas. Têm por objetivo analisar aptidões como inteligência, saúde mental, personalidade, comportamento e raciocínio lógico.

O segundo teste se aplica para ocasiões mais específicas, como é o caso de vagas que exigem bastante experiência e habilidades pré-determinadas. De forma geral, oferecem uma visão clara do desempenho dos candidatos em relação às competências requeridas.

6. Dinâmicas de grupo

Essa ação vai deixar o processo seletivo mais longo, mas pode ter certeza de que vai valer a pena. As dinâmicas de grupo são muito utilizadas pelo fato de possibilitarem uma análise comportamental de cada candidato, principalmente em relação à interação com outras pessoas.

O ideal é simular situações cotidianas da empresa e do setor em que a vaga foi aberta. Essa é uma forma de tirar os profissionais da sua zona de conforto, pois insere no processo elementos surpresa.

Por mais que sejam importantes, as dinâmicas precisam ser limitadas para que não tornem a seleção cansativa e repetitiva. Além disso, as simulações devem respeitar a individualidade de cada um e evitar constrangimentos.

Quando o RH investe em ferramentas para atrair bons candidatos e selecionar os melhores, o setor começa a ser um parceiro estratégico das demais áreas. Ressalta-se que a qualificação do profissional que realiza esses processos é muito importante, porque de nada adianta ter métodos eficientes se ninguém souber utilizar e interpretar os resultados.

Agora que você já aprendeu sobre as principais técnicas de recrutamento e seleção, que tal começar a colocar as dicas em prática? Para começar, sugerimos que sua empresa teste gratuitamente nosso software de busca de empregos e profissionais no mercado!