O termo “geração Y” define os jovens que nasceram entre a década de 80 e o início dos anos 90, também chamados de Millennials. A questão é: como aproveitar a geração Y no mercado de trabalho e criar estratégias de atração e retenção?

O desafio é enorme! Diferente das gerações anteriores, os Millennials não se preocupam tanto com uma carreira estável. Também não esperam ocupar uma mesma posição por 10 ou 15 anos, como fizeram seus pais. Querem encontrar propósito no trabalho, contribuir para algo grande e se cercar de profissionais talentosos.

Neste post, reunimos tudo o que precisa saber sobre o tema e destacamos as principais estratégias para contratar e reter a geração Y no mercado de trabalho. Boa leitura!

Tenha um propósito massivo e transformador

“Acelerar a transição do mundo para a energia renovável” e “ser a empresa mais centrada no cliente da terra”. Respectivamente, esses são propósitos da Tesla Motors e da Amazon. E sua empresa, tem um propósito grande e transformador?

Segundo estudo da PwC, os profissionais que não pertencem à geração Y são 2,3 vezes mais propensos a ficar na empresa quanto têm conexão com o propósito do empregador. Já no caso dos Millennials, essa relação sobe para 5,3 vezes (mais que o dobro!).

Para criar o propósito da sua companhia, reflita sobre a seguinte questão “se minha empresa não existisse, o que o mundo perderia?”. A resposta é a pista inicial. Busque uma declaração inspiradora, curta e que tenha forte conexão com os colaboradores.

Contrate com base no fit cultural

O próprio processo de recrutamento e seleção deve ser estruturado pensando na retenção do profissional da geração Y. Não basta contratar alguém com vasta habilidade técnica, também é preciso pensar no critério comportamental.

Mais do que nunca, é preciso estar atento ao chamado “fit cultural”, que se refere ao alinhamento entre o candidato e a empresa. Quando o profissional Millennial tem um conjunto de crenças e valores alinhados aos da empresa, a retenção é muito mais fácil.

Para avaliar se há alinhamento, aposte em testes de perfil comportamental (o DISC, por exemplo). Use, também, um banco de profissionais para ter mais opções na hora da contratação e poder fazer diversas triagens até chegar ao candidato ideal.

Arquitete uma forte marca do empregador

Você sabe que as firmas investem milhões na criação de marcas para atrair clientes, certo? Contudo, as empresas mais modernas estão investindo bastante da criação de uma marca com foco nos novos talentos, essa estratégia se chama “employer branding”.

Encontrar profissionais da geração Y no mercado de trabalho com competências técnicas e comportamentais alinhadas à cultura organizacional não é uma tarefa fácil. Sendo assim, uma boa estratégia é tornar o negócio um verdadeiro ímã, fazendo com que os talentos cheguem até ele.

Existem várias táticas para investir em employer branding. Fazer descrições de vagas atraentes, utilizar boas plataformas para veiculação das oportunidades e usar os atuais colaboradores como promotores da marca são bons exemplos disso. É preciso saber onde investir.

Estabeleça um forte senso de meritocracia

Os profissionais da geração Y não querem depender do tempo de “casa” para serem promovidos, muito menos da proximidade com seu supervisor imediato. Eles preferem ser recompensados por seus talentos e resultados, nada menos que isso.

Criar um forte senso de meritocracia é uma ótima tática para reter os Millennials. Diga que todos serão recompensados — em termos de carreira e salário — pelos resultados entregues. Os novos profissionais adoram um desafio. Então os instigue!

Estabeleça metas ousadas (não impossíveis), monitore as métricas de desempenho, crie uma cultura de alta performance e slogans do tipo “rumo ao topo”. Isso faz bem ao negócio, além de despertar a motivação e o senso de mérito nos novos talentos.

Incentive práticas de intraempreendedorismo

A nova geração gosta de empreender. Em 2016, um estudo da Endeavor descobriu que 6 em cada 10 universitários brasileiros querem ser empreendedores. Sua empresa tem proporcionado o ambiente para que isso aconteça ou os talentos precisarão sair?

Parece uma pergunta estranha, mas na prática não é. Algumas empresas são famosas por permitirem que seus funcionários inovem dentro do ambiente de trabalho e encontrem soluções para os problemas que existem, é o caso da 3M e da SambaTech.

Nesse caso, a dica é: não confine a inovação à alta liderança ou ao setor de P&D. Deixe que todos que têm boas ideias tenham a oportunidade de colocá-las em prática. Isso pode ser um grande benefício à organização e contribuirá para a retenção de talentos.

Tenha o objetivo de melhorar a cada dia

A maior obrigação de uma empresa não é ser lucrativa ou obter um grande market share, apesar de serem coisas muito importantes. Seu dever é, na verdade, ser melhor a cada dia, e isso certamente faz “brilhar os olhos” dos Millennials.

Os novos profissionais rejeitam o status quo, pois querem estar em movimento. Isso envolve novos desafios, e eles gostam. Preferem correr riscos e crescer do que ficar parados. Uma prova disso é que muitos largam seus empregos em multinacionais estáveis para ocupar cargos em startups, empresas jovens, incertas e disruptivas.

Sendo assim, estabeleça programas de melhoria contínua. Métodos como o lean startup, que envolve prototipagem de novos produtos, fazem sucesso entre a geração Y no mercado de trabalho. Mais uma vez, o próprio negócio poderá ser beneficiado e encontrar novas fontes de receita.

Adote modelos mais flexíveis de trabalho

Por fim, é preciso adotar modelos mais flexíveis ao longo do expediente de trabalho. Por muito tempo a organização foi um local rígido e cheio de regras, mas as empresas mais bem-sucedidas e inovadoras estão contestando isso — e atraindo talentos.

Que tal adotar benefícios como o “no dress code”, onde não há um código de vestimenta e é possível trabalhar de short e camiseta? Ou deixar o horário de entrada e saída flexível, preocupando-se menos com o tempo e mais com os resultados entregues?

A geração Y se preocupa menos com regras e mais com valores e resultados. Então, ao invés de elaborar um novo código de regras e conduta, crie uma declaração de valores que mostre o que é realmente importante. Dessa forma, poderá inspirar talentos.

Enfim, existem muitas táticas. Muitos gestores veem a geração Y no mercado de trabalho como instável, o que não é verdade. Esses novos profissionais só preferem estar em movimento, e (para empresas que sabem aproveitar) esse é um grande benefício. Os Millennials querem mudar as regras do “jogo” e atingir grandes resultados, sem abandonar seus valores.

E aí, gostou de aprender como aproveitar a geração Y no mercado de trabalho? Compartilhe este post em suas redes sociais e mostre que seu conhecimento está em dia!